Mercado de Embarcações Atrai Seguradoras


Mercado de embarcações atrai seguradoras

A décima edição do São Paulo Boat Show bateu recordes de público e de barcos expostos. A venda das embarcações, que custam em torno de R$ 25 mil a R$ 50 mil, cresceu cerca de 30% em relação a 2006. O aumento confirma a tendência de que as famílias brasileiras estão optando por substituir a compra do segundo carro ou de uma casa de praia por uma embarcação.

O crescimento do mercado de embarcações náuticas, motivado principalmente pela queda do dólar, atrai as seguradoras, que já traçam suas estratégias para aproveitar esse aquecimento e aumentar sua carteira de clientes.

O crescimento de 28% do seguro náutico da AGF Seguros, desde o início do ano, foi impulsionado pelas parcerias firmadas com corretores especializados. “Nossa expectativa é de ampliar ainda mais este número, chegando a 35% de aumento no volume de clientes”, explica Marco Antônio dos Santos, Superintendente de Transportes, Cascos e Aeronáuticos da AGF Seguros.

O executivo acredita também que a mudança de cultura do setor foi um fator determinante para impulsionar a comercialização de seguros náuticos. “Hoje as pessoas já fazem seguro quando compram o barco. Os benefícios que o cliente pode ter com a aquisição da apólice já são mostrados na própria loja, antes da venda ser concretizada”, completa o executivo.

O seguro oferece coberturas contra colisão, naufrágio, encalhe, danos a terceiros e despesas com socorro e salvamento. “Temos ainda uma equipe de vistoriadores próprios, o que nos permite liquidar casos de pequenos sinistros, incluindo o pagamento de indenizações, de forma mais rápida”, diz Santos.

Outra seguradora que também tem forte atuação nesse ramo é a Marítima Seguros. A companhia oferece diversos tipos de coberturas direcionadas aos proprietários de lanchas, iates ou qualquer outro tipo de barco de lazer.

O produto foi desenvolvido para garantir embarcações de Esporte e Recreio de uso particular, construídas em fibra de vidro, com idade inferior a 20 anos, guardadas em marinas, iate clubes ou garagens náuticas. Já a cobertura básica garante os prejuízos ocorridos na embarcação como salvamento da embarcação em situação de perigo, assistência e, avaria particular, retirada e colocação na água, acidentes no abastecimento e roubo ou furto qualificado da embarcação.

Para os mais exigentes, a Marítima dispõe ainda de coberturas adicionais de responsabilidade civil do proprietário da embarcação - danos a terceiros, competição de pesca e transporte terrestre.

O diretor da Murolo Corretora, especializada em seguros marítimos, Reinaldo Murolo, que trabalha com esta carteira há mais de 12 anos, afirma que tem observado um novo fator no mercado de vendas de embarcações que deverá gerar ainda mais procura de seguros náuticos para 2008.

“Percebemos que as empresas de construção de embarcações estão produzindo barcos, iates e lanchas de tamanho cada vez maior. Temos visto essa evolução dentro da nossa própria carteira. Acreditamos que poderá haver um aumento na receita, já que o custo médio do seguro varia em torno de 5% do valor da embarcação”, explica.



Funenseg (08/11/2007)