OFICINAS REFERENCIADAS: SOFRIMENTO PARA O CLIENTE E CORRETOR


A frota de automóveis cresce em todo o país. Conseqüentemente, há o aumento de acidentes de trânsito.

Com isso, as oficinas brasileiras estão superlotadas. Geralmente, a maioria das Seguradoras escolhe as mesmas oficinas para referenciadas e, por isto, enfrentam situações muito graves: A demora no conserto e o serviço mal executado.

Em cada canto do Brasil e, principalmente, longe dos grandes centros, há retrabalho do corretor, além do cansaço e aborrecimento, por causa da demora para entregar o veículo pronto. Geralmente, há a velha solução nacional de uma parte das oficinas autolmotivas: A desculpa!

Faltou peça, faltou autorização da seguradora ( já autorizada), faltou empregado, etc. Na realidade, essas desculpas refletem o momento importante em que vive o mercado de seguros. Precisa-se solução para todos esses casos.

A Seguradora opta pela referenciada não só pela qualidade, envolve os custos de conserto. Cada vez mais, paga-se menos para a mão de obra qualificada e, em contrapartida, aumenta-se a produção de uma oficina; que hoje trabalha mais como fábrica; recebe muito pouco e trabalha muito. Nesse caminho adaptivo, surgem empresas que classificam essas verdadeiras montadoras de automóveis. Em São Paulo, capital, há empresas do setor que chegam a produzir o conserto de centenas de veículos num mês. Nisso, ficam de fora as concessionárias – que trabalham em veículos ainda com garantia, e pequenas oficinas, que sobrevivem graças aos próprios donos de veículos que não possuem seguro. Seguramente, uma injustiça com os pequenos e médios reparadores.

Em outro momento, fora a questão do atraso, a qualidade está cada vez mais desejando melhorar. É muito difícil apreciar a satisfação do cliente com o conserto. Reclamação e mais reclamação, estamos fadados a nos desculpar, sem ter culpa, antes mesmo do envio do automóvel para a oficina. Aliás, chegamos ao ponto de temer indicar um reparador. Colocamos uma lista, curta, para que o segurado decida-se pelo envio.

O colega Gilberto, da GNP corretora de Caxias do Sul, me disse que está insatisfeito com essas ocorrências e que o mercado requer modificar alguns pontos. Com isto, defende o aumento do valor pago a oficina e a abertura para conserto na oficina que o cliente desejar. Deveras, como corretor médio, com milhares de clientes na carteira, tem se deparado com o stress da demora, do serviço mal executado e com a insatisfação do segurado

Por que tudo isso?

Como solucionar essas situações?

Aliás, você acha que haverá uma solução simples para isto?
.
Neste e em todos os casos, precisamos publicar nossas idéias.



Armando Luis Francisco  (27/10/2008)